No Brasil, a exemplo do que vem sendo observado em grande parte dos países mais desenvolvidos, o e-commerce registra um crescimento vertiginoso — e as perspectivas indicam a continuidade desse cenário.

O intenso movimento em direção às vendas online, bem como o fortalecimento das estratégias para expandir os canais de comércio, evidencia a pertinência da operação.

Se você busca mais informações sobre o tema, encontrou o conteúdo perfeito! No post, acessará um panorama do e-commerce de varejo brasileiro e entenderá a melhor forma de aproveitá-lo. Também conhecerá as principais vantagens de investir na venda pela web.

Boa leitura e bom aprendizado!

O e-commerce no Brasil: os números do setor

O e-commerce no Brasil vive sua era de ouro. A pandemia fortaleceu o setor, principalmente, porque foi a principal alternativa de atividade para muitas empresas com o isolamento social. Alguns dados importantes sobre esse período são:

A tendência, portanto, é que o e-commerce continue forte e cresça com ainda mais vigor nos próximos anos. Alguns atributos que caracterizam essa modalidade de consumo, tais como comodidade e praticidade, são prioritários para um público que tem poder de compra e, claro, muitos desejos a serem atendidos.

O e-commerce para pequenos varejistas: motivos para investir

O varejo é um segmento altamente dinâmico e volátil. O comportamento do consumidor, que está em constante transformação, interfere diretamente nos resultados do segmento. Por isso, exige que as lideranças estejam sempre atentas às nuances do mercado.

A ascensão do e-commerce aprofundou essa necessidade. Em um mundo em que tudo acontece em tempo real, qualquer mudança pode (e deve) ser monitorada, uma vez que geralmente significa uma oportunidade ou uma ameaça às empresas varejistas.

Além disso, o comércio virtual teve outro impacto bastante expressivo: deslocou o eixo de alcance que antes era mais restrito e reservado apenas às grandes corporações ou aos maiores investimentos.

A internet democratizou o consumo e, da mesma forma, alargou a concorrência. Agora, é plenamente possível que um varejista pequeno, em estágio inicial de sua operação, compita com grandes marcas consolidadas e reconhecidas. Na web, ganha quem é mais ágil na tarefa de atrair, converter e fidelizar o consumidor.

Esse contexto, por si só, já proporciona um excelente motivo para que pequenos empresários — principalmente aqueles que desejam expandir o mercado em que atuam — vejam no e-commerce uma oportunidade única para alavancar o faturamento da empresa.

Para além disso, porém, existem outros ótimos motivos (e boas recompensas) que endossam e incentivam as vendas via comércio virtual. Veja alguns deles.

Custos menores em relação às lojas físicas

No Brasil, os custos para a manutenção de uma loja física são altíssimos. Além do aluguel (ou da compra do imóvel), há despesas recorrentes com a manutenção do local e com o pagamento de taxas relacionadas ao espaço.

No ambiente online, muito embora as regras de operação sejam semelhantes, os custos com a manutenção de um imóvel comercial são imediatamente suprimidos.

Na prática, não é mais preciso pensar nas importantes questões relacionadas à localização — se seu ponto é movimentado o suficiente, se o público a quem seu produto ou serviço se destina passa pela rua em que você está instalado — ou investir em design para que a loja continue atrativa aos consumidores.

Burocracia reduzida

A burocracia é, sem dúvida, um dos grandes impasses para os empreendedores brasileiros. De acordo com uma pesquisa divulgada pelo Sebrae, 6% dos que abriram um negócio tiveram muitas dificuldades burocráticas durante o primeiro ano de operação.

No caso das lojas virtuais, alguns recursos podem ajudar a reduzir o tempo gasto em atividades burocráticas. A assinatura eletrônica, por exemplo, elimina a necessidade de assinar inúmeros arquivos de forma manual.

A automatização de pagamentos, por sua vez, também é uma excelente maneira de facilitar a gestão da empresa e desburocratizar as operações. Com a integração eletrônica de aplicações contábeis e dos fluxos financeiros, o gestor ganha mais confiança para administrar os recursos do negócio e designar investimentos que podem impulsionar os retornos.

Agilidade na operação

A agilidade operacional é um dos mais evidentes ganhos da loja virtual em relação às lojas físicas. Em um ambiente online, é bastante comum (e necessário) que as áreas sejam integradas e tenham seus dados centralizados em uma única ferramenta, como o ERP.

Na prática, todo o fluxo de processos é executado com mais rapidez, valendo-se da tecnologia para garantir a segurança e a coerência das rotinas da empresa.

Principalmente no varejo, em que a velocidade dos acontecimentos e das subsequentes reações podem determinar o sucesso ou o fracasso de uma estratégia, é essencial que a operação seja extremamente ágil e precisa.

Erros no e-commerce: os principais a serem evitados

Outro ponto que você precisa estar atento para garantir melhores resultados em seu e-commerce é identificar quais são as principais falhas que ocorrem e saber como evitá-las no dia a dia. Separamos os principais pontos que valem para todos os portes de loja de materiais de construção.

Não investir em segurança de dados

Esse é um ponto que tem chamado muita atenção, seja pelo aumento exponencial do número de ciberataques, seja por termos o aumento na complexidade das ações realizadas ou, ainda, pelas preocupações com a privacidade de dados, é cada vez mais importante que os gestores cuidem da segurança das informações das lojas online.

Isso é fundamental porque o vazamento de informações pessoais pode gerar uma profunda desconfiança dos seus potenciais clientes sobre seu negócio e, ao mesmo tempo, também, pode ser um ponto de sanções para o seu negócio por meio da LGPD.

Segundo a legislação vigente, o seu negócio pode ser sancionado se houver evidências de que ocorreu omissão no cuidado de dados antes que eles fossem vazados. Por isso, atenção.

Além disso, hackers que tenham acesso aos dados do seu negócio podem utilizá-los para realização de fraudes e outros problemas que podem colocar as finanças do seu negócio em xeque. Cuidado com essas questões.

Não ter uma boa plataforma

Outro ponto importante é ter uma boa plataforma que permite a ação dos seus clientes de forma segura e eficiente, sem colocar em risco as atividades do dia a dia tanto para a sua loja quanto para seus clientes.

Uma boa plataforma garante uma melhor experiência do cliente, proporciona facilidade em encontrar os itens, proporciona agilidade na escolha dos produtos, entre outros pontos importantes que potencializam as chances de sucesso.

Por exemplo, uma plataforma adequada permite formatar o espaço de forma a incentivar um aumento no número de compras, potencializando o ticket médio. Se a plataforma não for amigável e intuitiva, pode acontecer o efeito oposto e prejudicar a sua estratégia. Nada bom, não é mesmo?

Não utilizar imagens de qualidade

Você mostra os seus produtos de forma adequada? As imagens precisam ser convidativas para que seus potenciais clientes sintam-se motivados a comprar os itens em sua loja virtual. Lembre-se que muitos itens dependem de ter uma boa exibição para cativar a atenção dos clientes. Por exemplo, os pisos que comercializar precisam evidenciar detalhes que podem ser diferenciais importantes para a escolha do cliente.

Imagens ruins, desfocadas passam uma sensação de um certo amadorismo e, assim, podem gerar até mesmo a desconfiança de que o seu site não é confiável. Por isso, se as imagens trazidas pelos fornecedores não forem de boa qualidade, pode ser interessante contar com produção própria para amenizar essa questão e trazer um maior profissionalismo para suas atividades.

Não realizar monitoramento com indicadores adequados

Você sabe qual é a situação atual das vendas no seu e-commerce? Ou qual a taxa de abandono de carrinho? Identifica quanto tempo uma pessoa permanece em seu espaço? Esses e outros pontos precisam ser conhecidos pelo seu negócio ou, então, você pode continuar investindo em estratégias falhas e prejudicar os resultados da sua loja online.

Por exemplo, o motivo pelo qual os itens são abandonados no carrinho pode ser por não ter um bom número de meios de pagamentos dentro do que as pessoas esperam atualmente e, com isso, você afasta elas do seu negócio. Mas sem esse acompanhamento dos indicadores, você não conseguirá saber essas informações.

Com isso, as chances de que problemas passem despercebidos e comprometam os resultados da sua loja virtual aumentam consideravelmente. Por isso, fique atento para o monitoramento.

Isso pode ser feito por meio do dashboard do Google Analytics, mas não precisa parar por aí. É possível cruzar esses dados com outros produzidos por outras plataformas e ERPs e ter uma visão integrada e holística da sua loja virtual, permitindo um acompanhamento mais preciso e ajudar, inclusive, na tomada de decisões no dia a dia.

Não diversificar os meios de pagamento

Atualmente essa é uma questão essencial para boa parte dos clientes e que seu negócio não pode deixar de estar atento: diversificar os meios de pagamento é uma forma de atrair os mais diferentes públicos.

Por exemplo, hoje temos pessoas que praticamente só possuem valores em carteiras digitais e gostariam de ter a praticidade de realizar o pagamento de suas compras diretamente nessa plataforma. Outras querem ter a opção de dividir o valor do carrinho em mais de um cartão, para facilitar sua gestão financeira.

As possibilidades são diversas e, portanto, é fundamental que você esteja atento para isso e sempre busque trazer novas formas de pagamento. Além disso, muitas medidas que promovem maior segurança estão sendo criadas e, por isso, também é importante que você esteja atento para novas tendências e implementá-las em seu negócio.

Não contar com um software especializado integrado à plataforma

Observar os indicadores passa por ter trocas de dados que transitem entre a plataforma e sistemas especializados para sua área de atuação. Afinal, sabemos que muitas áreas possuem demandas diferenciadas e, por isso, é importante utilizar soluções focadas para aquela área específica.

Por exemplo, a área de materiais de construção envolve ter certeza de que há o estoque esperado para a pessoa (se, por exemplo, tiver uma caixa a menos de pisos, a pessoa pode não realizar a compra, caso fique abaixo da quantidade que ela precisa para fazer a reforma esperada), identificar melhores rotas para transporte, acompanhar prazos de validade, ter formas de comunicação otimizadas (já que muitas pessoas costumam ter dúvidas no processo de compra), entre outros pontos importantes.

Não ter uma solução especializada, portanto, para lojas de materiais de construção, pode trazer maior dificuldade para que os clientes consigam fazer suas compras e sua loja possa expandir as atividades. Além disso, também permitem a automação de funções importantes e que estão alinhadas com demandas essenciais dessa área. Por isso, fique atento e sempre escolha aquelas que estão alinhadas com sua área.

Por exemplo, a MicroUniverso possui um ERP específico para o e-commerce de varejo de materiais de construção, ajudando a otimizar funções internas e expandir sua possibilidade de atuação, aumentando a eficiência operacional do seu negócio.

As vantagens da visibilidade do e-commerce: a alternativa à loja física

Diante de tantas informações positivas, fica fácil compreender que o e-commerce é, sem dúvida, uma interessante alternativa para os varejistas — principalmente aqueles que ainda estão iniciando e fortalecendo suas operações.

Para encerrar a discussão do tópico, cabe evidenciar as principais vantagens da loja online em detrimento do espaço físico, quando se trata de visibilidade.

Como mencionado, uma loja física exige cautela redobrada para escolher o ponto de localização e, a depender da opção, os custos podem explodir. No caso do e-commerce, porém, essa preocupação é suavizada.

Por meio de estratégias digitais, é plenamente possível que pequenas marcas conquistem seu espaço na web, assegurando que o público-alvo tenha acesso aos produtos e serviços que oferecem.

A atualização das redes sociais corporativas, por exemplo, é importante para garantir a exposição da empresa em ambientes virtuais, fortalecendo a percepção da marca e, claro, potencializando a geração de negócios no e-commerce.

O conteúdo foi útil e despertou alguns insights valiosos para a sua operação? Excelente! Aproveite para entrar em contato conosco e entender como podemos ajudar a alavancar os resultados do seu negócio. Sucesso e até a próxima!

No Brasil, a exemplo do que vem sendo observado em grande parte dos países mais desenvolvidos, o e-commerce registra um crescimento vertiginoso — e as perspectivas indicam a continuidade desse cenário.

O intenso movimento em direção às vendas online, bem como o fortalecimento das estratégias para expandir os canais de comércio, evidencia a pertinência da operação.

Se você busca mais informações sobre o tema, encontrou o conteúdo perfeito! No post, acessará um panorama geral do e-commerce brasileiro e entenderá a melhor forma de aproveitá-lo. Também conhecerá as principais vantagens de investir na venda pela web.

Boa leitura e bom aprendizado!

O e-commerce no Brasil: os números do setor

Em 2017, segundo pesquisa Webshoppers realizada pela Ebit em parceria com a Elo, o faturamento do e-commerce ultrapassou a marca de R$ 47 bilhões — um aumento de 7,5% em relação ao ano anterior.

A atividade do comércio eletrônico, por sua vez, cresceu 12% em comparação a 2016. Para 2018, o Ebit projetou aumento semelhante, apontando igual avanço de 12% e estimando um faturamento de R$ 53,5 bilhões.

No varejo online, durante o primeiro semestre de 2016, a categoria que registrou o maior número de vendas foi a de Celulares e Smartphones, com 26% do total. Em seguida, a seção de Moda e Acessórios totalizou 19% para itens femininos e 15% para itens masculinos.

A tendência, portanto, é que o e-commerce continue forte e cresça com ainda mais vigor nos próximos anos. Alguns atributos que caracterizam essa modalidade de consumo, tais como comodidade e praticidade, são prioritários para um público que tem poder de compra e, claro, muitos desejos a serem atendidos.

O e-commerce para pequenos varejistas: motivos para investir

O varejo é um segmento altamente dinâmico e volátil. O comportamento do consumidor, que está em constante transformação, interfere diretamente nos resultados do segmento. Por isso, exige que as lideranças estejam sempre atentas às nuances do mercado.

A ascensão do e-commerce aprofundou essa necessidade. Em um mundo em que tudo acontece em tempo real, qualquer mudança pode (e deve) ser monitorada, uma vez que geralmente significa uma oportunidade ou uma ameaça às empresas varejistas.

Além disso, o comércio virtual teve outro impacto bastante expressivo: deslocou o eixo de alcance que antes era mais restrito e reservado apenas às grandes corporações ou aos maiores investimentos.

A internet democratizou o consumo e, da mesma forma, alargou a concorrência. Agora, é plenamente possível que um varejista pequeno, em estágio inicial de sua operação, compita com grandes marcas consolidadas e reconhecidas. Na web, ganha quem é mais ágil na tarefa de atrair, converter e fidelizar o consumidor.

Esse contexto, por si só, já proporciona um excelente motivo para que pequenos empresários — principalmente aqueles que desejam expandir o mercado em que atuam — vejam no e-commerce uma oportunidade única para alavancar o faturamento da empresa.

Para além disso, porém, existem outros ótimos motivos (e boas recompensas) que endossam e incentivam as vendas via comércio virtual. Veja alguns deles.

Custos menores em relação às lojas físicas

No Brasil, os custos para a manutenção de uma loja física são altíssimos. Além do aluguel (ou da compra do imóvel), há despesas recorrentes com a manutenção do local e com o pagamento de taxas relacionadas ao espaço.

No ambiente online, muito embora as regras de operação sejam semelhantes, os custos com a manutenção de um imóvel comercial são imediatamente suprimidos.

Na prática, não é mais preciso pensar nas importantes questões relacionadas à localização — se seu ponto é movimentado o suficiente, se o público a quem seu produto ou serviço se destina passa pela rua em que você está instalado — ou investir em design para que a loja continue atrativa aos consumidores.

Burocracia reduzida

A burocracia é, sem dúvida, um dos grandes impasses para os empreendedores brasileiros. De acordo com uma pesquisa divulgada pelo Sebrae, 6% dos que abriram um negócio tiveram muitas dificuldades burocráticas durante o primeiro ano de operação.

No caso das lojas virtuais, alguns recursos podem ajudar a reduzir o tempo gasto em atividades burocráticas. A assinatura eletrônica, por exemplo, elimina a necessidade de assinar inúmeros arquivos de forma manual.

A automatização de pagamentos, por sua vez, também é uma excelente maneira de facilitar a gestão da empresa e desburocratizar as operações. Com a integração eletrônica de aplicações contábeis e dos fluxos financeiros, o gestor ganha mais confiança para administrar os recursos do negócio e designar investimentos que podem impulsionar os retornos.

Agilidade na operação

A agilidade operacional é um dos mais evidentes ganhos da loja virtual em relação às lojas físicas. Em um ambiente online, é bastante comum (e necessário) que as áreas sejam integradas e tenham seus dados centralizados em uma única ferramenta, como o ERP.

Na prática, todo o fluxo de processos é executado com mais rapidez, valendo-se da tecnologia para garantir a segurança e a coerência das rotinas da empresa.

Principalmente no varejo, em que a velocidade dos acontecimentos e das subsequentes reações podem determinar o sucesso ou o fracasso de uma estratégia, é essencial que a operação seja extremamente ágil e assertiva.

As vantagens da visibilidade do e-commerce: a alternativa à loja física

Diante de tantas informações positivas, fica fácil compreender que o e-commerce é, sem dúvida, uma interessante alternativa para os varejistas — principalmente aqueles que ainda estão iniciando e fortalecendo suas operações.

Para encerrar a discussão do tópico, cabe evidenciar as principais vantagens da loja online em detrimento do espaço físico, quando se trata de visibilidade.

Como mencionado, uma loja física exige cautela redobrada para escolher o ponto de localização e, a depender da opção, os custos podem explodir. No caso do e-commerce, porém, essa preocupação é suavizada.

Por meio de estratégias digitais, é plenamente possível que pequenas marcas conquistem seu espaço na web, assegurando que o público-alvo tenha acesso aos produtos e serviços que oferecem.

A atualização das redes sociais corporativas, por exemplo, é importante para garantir a exposição da empresa em ambientes virtuais, fortalecendo a percepção da marca e, claro, potencializando a geração de negócios no e-commerce.

O conteúdo foi útil e despertou alguns insights valiosos para a sua operação? Excelente! Aproveite para entrar em contato conosco e entender como podemos ajudar a alavancar os resultados do seu negócio. Sucesso e até a próxima!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.